Bem Estar Social

Toda estrutura social tem uma Missão e/ou uma Proposta.

A Proposta do ESTADO, desde seu início foi e é permitir o fortalecimento de seus membros, a melhoria das condições de vida, segurança, lazer, proteção social e possibilidades de melhorar o conjunto social, seja ele familiar ou estendido para grupos maiores de forma coletiva e idividual.

Geralmente, é dado a cada um de seus membros um reconhecimento que, de certa forma, em uma representação em MOEDA de benefícios e vantagens.

A proposta da ECONOMIA PARTICIPATIVA não muda esta condição individual de fazer mais, criar mais, contribuir mais socialmente de acordo com a capacidade de cada indivíduo estejam agindo individualmente ou em grupos “empresas/empreendimentos”.

Há que se reconhecer que estamos numa “sociedade capitalista” onde privilegiar as diferenças e excluir o que não dá retorno financeiro é considerado um custo social a ser evitado.

Há que se reconhecer, também, que a “ideologia capitalista” não é uma teoria sustentável para a Economia Nacional e/ou Mundial se ela não mantiver na exclusão do Bem Estar Social a maior parte de seus membros.

A transformação que o estudo/proposta aqui tem como Missão é a construção de uma ECONOMIA PARTICIPATIVA que o proprio nome sugere e inclui TODOS PARTICIPANTES e não que continuemos em busca de alternativas de ECONOMIA SOLIDÁRIA – que é eventual e dependendte de disponibilidades de seu participantes –  ou outras variantes como ECONOMIA DE GUERRA ou outros nomes menos significantes e mais pomposos com o fim de criar ilusões sobre seu funcionamento e/ou resultado.

Aplicando as regras propostas para a ECONOMIA PARTICIPATIVA teremos:

  1. Uma RBU – Renda Básica Universal e/ou RNA – Renda Nacional Atribuída a todos;
  2. Um ORÇAMENTO GERAL DA UNIÃO que aplique a cota de cada um nas áreas que estão devidamente vinculados os interesses da coletividade;
  3. Uma desoneração em toda a CADEIA PRODUTIVA em vista de que TODOS tem a RENDA assegurada;
  4. A simplificação de toda a Estrutura do ESTADO tornando ele mais eficiente e atuante;
  5. A dificuldade em se criar mecanismos de desvios de verbas públicas pois haverá transparência na distribuição e aplicação de recursos e todas as transferências públicas e privadas são registradas;
  6. A criação de uma condição para a Economia fluir com o CAPITAL DE GIRO PESSOAL aplicado diretamente na distribuição da RBU – Renda Básica Universal e/ou RNA – Renda Nacional Atribuída;
  7. A possibilidade de integração dos 5.570 municípios atribuindo a cada um deles a renda necessária para cada um de seus habitantes;
  8. A possibilidade de uma renegociação de todas as Dívidas Públicas e Privadas em vista de uma nova realidade social.

Enfim, não há limite para a imaginação humana quando aplicada de forma responsável e voltada ao BEM ESTAR SOCIAL.

Esta é a razão da proposta e do estudo aqui apresentado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s